Planejamento financeiro: Inter deixa de faturar 8 milhões com eliminação na Libertadores

Foto: Ricardo Duarte / S.C. Internacional

A eliminação do Inter para o Boca Juniors, na Libertadores, custou não só o sonho de um título mas também aos cofres do clube. O planejamento financeiro previa a chegada nas quartas de final da competição, com a eliminação nas oitavas, evitou que outros R$ 8 milhões fossem despejados nos cofres do clube. O impacto das finanças chega a R$ 14,6 milhões em menos de um mês.

A direção já encarava o problema da queda na Copa do Brasil, que deixou escapar 7 milhões ao ser eliminado pelo América-MG nas quartas de final. O Inter, quando planejou 2020, estipulou alcançar no mínimo as semifinais do torneio nacional e as quartas da Libertadores.

Caso avançasse às quartas da Libertadores, o clube faturaria R$ 7,6 milhões por estar entre os 8 melhores da América do Sul. O montante era fundamental para minimizar a delicada crise econômica enfrentada no Beira-Rio.

Com as eleições se aproximando, a principal missão da futura gestão será minimizar a fragilidade financeira. Como José Aquino Flores de Camargo teve a candidatura cassada e Guinther Spode desistiu da mesma, está apenas Alessandro Barcellos na disputa do pleito, ainda indefinido pela Comissão Eleitoral.

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Inter

Compartilhe esta notícia:

Caio Vidal acerta renovação de contrato com o Inter
Eleições Coloradas: Guinther Spode, da chapa 01, desiste da candidatura e não concorre no segundo turno
Deixe seu comentário