D’Alessandro anuncia que não renovará contrato com o Inter e deixa o clube em dezembro

Meia anuncia que não renovará contrato no dia 31 de dezembro

Foto: Ricardo Duarte / S.C. Internacional

O meia de 39 anos anunciou oficialmente a saída do Internacional. No clube desde 2008, D’Alessandro anunciou que deixa o clube no dia 31 de dezembro de 2020. Emocionado, o ídolo da torcida leu uma mensagem se despedindo do clube. “O Inter vai seguir gigante como é. Eu seguirei minha vida como atleta. Encerro a minha história e não um ciclo. A minha decisão é pessoal”, afirmou o camisa 10.

Ao lado do presidente Marcelo Medeiros, D’Alessandro agradeceu aos 12 anos que esteve no clube. “Vir para o Inter foi a melhor decisão para a minha vida. Meu principal legado é saber que o torcedor se sentiu representado por mim dentro de campo”, destacou.

Perguntado sobre sua decisão ter sido influenciada pelas questões políticas do clube, com as eleições se aproximando, se o interno do clube levou influência ao campo, D’Ale negou, dizendo que a decisão foi unicamente sua. “Não renovar é uma decisão minha. Muito bem pensada. Não foi a duas semanas. Faz tempo. Não tem nada a ver como treinador, grupo, resultados. Tem a ver com meu sentimento. Minha cabeça. Tenho um poder decisão forte”, disse.

Sem torcida nos estádios por conta da pandemia, o meia lamentou não poder se despedir de quem o realmente apoiou, a torcida colorada. “O assunto torcedor sim é frustrante para mim. Depois de tantos anos não poder me despedir deles dentro do Beira-Rio. Gostaria que fosse de outra maneira, mas vai ser impossível. Não estou fechando as portas em definitivo para o clube”, destacou.

Companheiro de River Plate do ex-técnico colorado Eduardo Coudet, D’Alessandro falou sobre sua saída, sobre a vontade de ter sido mais aproveitado pelo treinador e sobre a amizade que os dois mantiveram. ”A saída dele (Coudet) foi ruim e difícil pro grupo. Não tem como não ter um momento de instabilidade e desorganização porque foi embora um treinador que estava dando resultado. Mas foi escolha dele e foi muito respeitada”, disse.

Gostaria de ter sido melhor aproveitado pelo Coudet, pois me sentia capacitado. A saída dele foi ruim e difícil para o grupo. Gera instabilidade e desorganização. Foi embora um técnico que conseguiu resultados e desempenho”, acrecentou.

Em relação à união do clube, D’Alessandro fez duras críticas ao conselheiro que o ofendeu nas redes sociais, falou sobre a falta de união e as pessoas que realmente valorizam sua presença. ”Eu senti nesses 12 anos que nem todo mundo é colorado. Que nem todo mundo quer o bem do clube. Eu conheci muitas pessoas. Nem tudo que parece ser é o que é. Gostaria de um clube mais unido e sem tanta falta de respeito”, disse. “Ontem eu recebi um Tweet de um conselheiro do Inter, Luciano Pontes. Ele pode não gostar do meu futebol. Mas ele tem que respeitar o meu caráter e a minha índole. Eu nunca desrespeitei ele. O Twitter é o lugar dos covardes e continua sendo”, destacou.

Projetando a partida contra o Boca, na próxima quarta-feira (25), o meia deu destaque: “Partida com Boca é importantíssima. É uma das melhores equipes da Libertadores. É uma competição diferente. Se joga de outra maneira, vamos encarar com uma final e fazer uma boa partida para ter vantagem no jogo de volta”.

Ainda sobre as críticas que recebeu, durante os últimos anos no Inter, D’Ale não poupou em falar sobre a imprensa e sobre jornalistas que não fazem bom trabalho em cima do clube. “Eu lembro muito bem de uma capa de jornal em 2009, feita por jornalistas que não merecem meu respeito. A capa foi o meu salário: o que eu ganhava por ano, mês, dia, minuto e segundo. Um deles disse ser muito colorado. Esse cara trabalhou aqui.”, disse.

“Formador de opinião não é um cara que grava vídeo no YouTube. Ele não pode falar “esse cara é um burro”, como eu ouvi. Ninguém que joga aqui 12 anos é burro. Vocês estudam para ser jornalistas, não posso chamar vocês de burros”, acrescentou.

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Inter

Compartilhe esta notícia:

Rodrigo Caetano lamenta baixo aproveitamento mas destaca: ”Grupo de jogadores é o mesmo e nós precisamos encontrar soluções”
O fim da história de D’Alessandro como jogador colorado
Deixe seu comentário