Categorias de base e união do clube como prioridade: o que diz José Aquino Flôres de Camargo, candidato à presidência do Inter

José Aquino Flôres de Camargo compõe a chapa nomeada como Reage Inter, que conta com o apoio do movimento DNA Colorado

Foto: Mário Salgado / TJRS

A Rádio Grenal deu início a uma série de entrevistas com os candidatos a presidência colorada para o triênio 2021/23. O primeiro turno está marcado para o dia 26 de novembro, quando votam somente aos membros do Conselho Deliberativo. O segundo nome a ser entrevistado foi o candidato de oposição, José Aquino Flôres de Camargo, que representa a chapa Reage Inter.  A chapa conta com o apoio do movimento DNA Colorado. José Aquino é ex-presidente do Tribunal de Justiça do RS e também já presidiu o Conselho Deliberativo colorado.

Uma das principais certezas do representante do Reage Inter é de que passará para a próxima fase da corrida presidencial. O primeiro turno está marcado para o dia 26 de novembro, quando votam somente aos membros do Conselho Deliberativo. Avançam para o “pátio”, o segundo turno, os dois candidatos mais votados para a então eleição dos sócios torcedores. “Nós temos a convicção de que estaremos no 2º turno. Existe algo importante na vida de uma pessoa que se chama credibilidade. Tenho 30 anos no conselho e muitos serviços prestados ao clube”, destacou o candidato.

Para José Aquino Flôres de Camargo, o colorado é afetado diretamente por seus problemas financeiros: “Não há dúvida que muitas das dificuldades que o Internacional passa têm a ver com a parte financeira, que tira a capacidade de ser competitivo“. Mas para reverter esse e demais problemas que o clube venha a enfrentar, Aquino já projeta os primeiros passas da sua gestão: “O primeiro trabalho do presidente do Internacional será unir o clube. Temos que observar o que temos em comum. Os planos de governo são parecidos”.

Além da união, o candidato deixou claro que as categorias de base são as principais prioridades na sua presidência: “A base é prioridade total da chapa 3. E a base hoje não é só formação, mas prospecção de atletas. Nos últimos anos, ela melhorou muito pouco o elenco de cima. O que preocupa […] Tem que acabar com o contratadorismo. Ao invés de contratar 10, 12 jogadores de porte médio, ele tem obrigação de forma estes na base”.

Confira a composição dessa e demais chapas

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Inter

Compartilhe esta notícia:

Guinther Spode, candidato à presidência do Inter, projeta gestão em caso de vitória: “Temos que ouvir pessoas de outras matizes, ser mais abertos”
Arbitragem de jogos de ida da dupla Grenal nas oitavas de final da Libertadores é definida
Deixe seu comentário