Busca por títulos, retomada em Grenal e preparação física: A apresentação de Diego Aguirre

Diego Aguirre falou em entrevista coletiva pela primeira vez como técnico colorado desde o seu retorno para o Inter

Foto: Ricardo Duarte / S. C. Internacional

Na manhã desta segunda-feira (21), o Inter apresentou oficialmente Diego Aguirre como seu novo técnico. Em entrevista coletiva, o uruguaio respondeu diversas questões acerca do atual momento colorado e o que espera para a sua segunda passagem como treinador em Porto Alegre. A partir de amanhã, o comandante começa seu primeiro treinamento com o grupo de jogadores.

Primeiramente, antes que o novo técnico colorado fosse subordinado a algumas questões, a gestão colorada composta por Alessandro Barcellos, João Patrício Herrmann e Paulo Bracks falaram diretamente para a torcida do Inter. Para o presidente, o momento é de reconexão com o torcedor e com as vitórias, e que Diego Aguirre traduz a etapa de superação. Já Herrmann, qualificou: “A gente começa hoje um novo momento, uma virada e uma readequação. Uma nova oportunidade. Temos ainda pela frente um Brasileiro e uma Libertadores”. E Bracks elogiou o empenho do uruguaio em acertar rapidamente com o clube gaúcho: “Depois que definimos o nome do Diego, foram menos de 24h para firmar o contrato. Muito pelo interesse mútuo das duas partes”.

Em suas primeiras palavras no seu retorno a Porto Alegre, Diego Aguirre frizou estar feliz de voltar para casa. Emocionado, o treinador relembrou que foi o Inter quem o abriu as portas no Brasil para atuar como jogador e também técnico. Relembrando sua passagem pelo colorado em 2015, o uruguaio comentou: “Ficaram algumas coisas boas a se fazer”. Encarando as lições deixadas na sua primeira passagem, respondeu: “Cada trabalho e cada ano vamos pegar experiência. 2015 foi um grande trabalho, ganhamos o Gaúcho, chegamos nas semifinais da Libertadores, lançamos muitos jovens”.

O comandante mostrou ter muita confiança no atual elenco, além de, sentir que no momento o Inter precisa recuperar um pouco de sua identidade. “Que sejamos um Inter que conhecemos historicamente”, completou. Aguirre encara que o elenco se adaptará facilmente às suas ideias e considera seu plantel de muita qualidade. Contudo, o treinador foi ponderado ao ser perguntado para analisar os trabalhos dos antigos técnicos que passaram pelo Beira-Rio nos últimos anos: “É uma nova etapa, não vou falar das coisas que já passaram. Temos que pensar na frente, vamos focalizar o grupo e estar conscientes da importância que temos daqui pra frente”. Sobre uma possível adaptação do uruguaio no Inter, Diego fez questão de reiterar que não precisa.

Aguirre frizou ter de ser rápido o entendimento dos atletas em relação aos seus métodos, por conta do calendário brasileiro corrido. Questionado daquilo que pretende implementar, comentou: “Eu gostaria de um time protagonista, de pressão, dinâmica, um time que joga um bom futebol. Mas também que tenha identidade, que não perca coisas que tem de muitos anos. O torcedor se sente identificado quando um time luta e se entrega”. Porém, o uruguaio frizou não ter tido contato ainda com seu novo plantel, e reforçou a ideia de ânimo, confiança e convicção que as coisas darão certo.

Em 2015, o treinador fez alguns jovens se destacarem no elenco colorado, como Valdívia, Eduardo Sasha, William, Arthur, Geferson e até o goleiro Alisson. Sobre a experiência com jogadores mais novos, Aguirre citou: “Eu acredito nos meninos. Só temos que escolher o momento certo para dar essas oportunidades, por isso vamos analisando”. Ainda nesta linha, o técnico comentou sobre o momento financeiro difícil em que vive o Inter: “Sabemos que o clube precisa projetar e vender jogadores, é normal. Vamos tentar ajudar o clube, como já fizemos”.

Outro ponto citado na coletiva foi a falta de resultados efetivos em Grenal nos últimos anos. O treinador que já comandou o colorado no clássico, além de ter atuado como jogador, respondeu: “Sabemos da importância dos grenais. Lembro coisas boas em meu passado como jogador e treinador, tentaremos manter esse histórico. Mas ainda não é tempo de pensar nisso, temos que pensar na quinta (partida diante da Chapecoense)”. Em 2015, o treinador comandou o Inter em quatro clássicos, e se encontra invicto com uma vitória e três empates.

Uma das maiores polêmicas, que até chegou a ser um entrave na contratação de Aguirre entre gestão e treinador, foi o envolvimento na comissão técnica do preparador físico, Fernando Piñatares, no qual o uruguaio não abriu mão de sua presença. Em 2015, o profissional foi alvo de críticas acerca do desgaste dos jogadores do elenco, entretanto, o novo técnico colorado saiu em defesa: “Sim, incrivelmente foi só aqui. As vezes são informações que viram verdade, mas em todo momento estive tranquilo, pois só trabalhamos em clubes grandes e as experiências foram boas”.

Diego Aguirre, que assinou com o Inter até o final da temporada 2022, falou sobre a possibilidade de assumir a Seleção Uruguaia, caso o atual técnico, lendário Óscar Tabárez, venha a deixaro cargo: “Estou absolutamente focado no Inter, muita coisa pode acontecer. Mas estou focado e feliz aqui, não penso em outra coisa”, encerrou.

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Inter

Compartilhe esta notícia:

Intensidade e defesa sólida: O estilo de jogo do uruguaio Diego Aguirre
Relembre os melhores momentos da última passagem de Diego Aguirre pelo Inter
Deixe seu comentário