“Série B é um inferno”, diz Paulo Odone após reunião do conselho consultivo do Grêmio

Paulo Odone conversou com a Rádio Grenal após a reunião diante do conselho consultivo gremista, convocada pelo presidente Romildo Bolzan Jr.

Foto: (Edu Andrade/Grêmio FBPA)

Algo rotineiro quando um clube está passando por dificuldades, atuais e ex-dirigentes se reúnem para alinhar um ‘diário de bordo’. Romildo Bolzan Jr., presidente do Grêmio, convocou para reunião algumas lideranças e nomes importantes da história tricolor para traçar um novo rumo do clube gaúcho na temporada, e assim, sair da zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Um dos nomes presentes nas tratativas era Paulo Odone, presidente gremista em cinco oportunidades. O ex-dirigente falou em entrevista exclusiva a Rádio Grenal sobre os assuntos trabalhados e relatou acerca do atual momento do clube gaúcho. Preocupado, o advogado enxerga uma fotografia delicada tendo em vista a falta de oxigenação no elenco, seja pela idade do plantel ou o condicionamento físico dos jogadores. Odone trata como evidente a necessidade do Grêmio ir atrás de novos reforços. Pauta durante o encontro, o profissional comentou que a busca de reforços tricolor está voltada para atacantes e laterais-esquerdos.

Na reunião junto do conselho consultivo, o advogado reiterou a dificuldade de ter que jogar a Série B, já que o ex-dirigente conheceu a competição na pele, quando era o presidente gremista em 2005. Ano que o tricolor atuou pela primeira vez na segunda divisão nacional. “Eu tive a experiência de estar à frente quando disputamos a série B. É um inferno, não desejo para nenhum presidente passar por isso, muito menos ao Grêmio. É claro que ele (Romildo) está preocupado”, comentou. Além disso, Paulo Odone reiterou não ter nada pior que o descenço e que a união é um dos fatos necessários para evitar a situação.

Porém, o presidente saiu em defesa de Romildo Bolzan: “Não vejo ele usando o clube para suas pretensões políticas, mas é óbvio que o resultado do time influência nas suas aspirações”. E concordou com a saída de Renato Portaluppi do clube: “Ele teve alguns equívocos, como renovação de jogadores que já passaram o seu tempo no clube. Errou também falando que o Grêmio jogava o melhor futebol do Brasil, sendo que o Grêmio não jogava mais”. Para Odone, o ex-técnico gremista teve um acúmulo de funções, o que acabou se esgotando. Mas que, após a sua saída, o clube ficou perdido, ocasionando os atuais resultados em campo.

Apesar do péssimo momento no Campeonato Brasileiro, Paulo Odone comentou a importância de seguir adiante na Copa do Brasil: “Continuar na competição é importante. Isso traz autoestima e confiança aos jogadores”. Além disso, o ex-dirigente opinou sobre o capitão Maicon, que não atua desde a metade de junho por conta de lesão: “É um excelente jogador, mas não tem físico para aguentar uma partida inteira, não aguenta uma pegada muito tempo”.

 

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Grêmio

Compartilhe esta notícia:

Em nota oficial, Inter se manifesta contrário à pressão do Flamengo para o retorno do público aos estádios
Apresentado oficialmente no Grêmio, Miguel Borja destaca: ”Vamos fazer história”
Deixe seu comentário