O que esperar do América de Cali, primeiro adversário do Grêmio na Libertadores

(Foto: Reprodução/ @Americadecalisad)

Em março, tem início a fase de grupos da Copa Libertadores da América. O Grêmio faz sua estreia no dia 3 contra um velho conhecido seu: o América de Cali. Como muitos torcedores devem se lembrar, os colombianos cruzaram o caminho do Tricolor na principal competição sul-americana de clubes em duas ocasiões: 1983 e 1996.

Em 1983, os dois confrontos foram pelas semifinais, num grupo que incluía o Estudiantes da Argentina. O Grêmio terminou em primeiro, mas os confrontos contra os colombianos foram dos mais duros: uma derrota por 1 x 0 na Colômbia e uma vitória por 2 x 1 no Olímpico num jogo em que Mazarópi chegou a defender um pênalti.

O final da história todos conhecem, já que o Tricolor acabaria por conquistar o título naquele ano. Mas os dois jogos contra o América não foram difíceis por acaso: como lembra Douglas Ceconello num excelente texto para https://globoesporte.globo.com/, nos anos seguintes a equipe de Cali viria a ser uma das mais temidas do continente, com três vice-campeonatos seguidos da Libertadores.

Já em 1996, o final não foi feliz para o Grêmio. A equipe treinada por Scolari, então campeã continental, enfrentou os colombianos novamente pelas semifinais, mas desta vez no formato mata-mata. Na ida, vitória por 1 x 0 no Olímpico. Na volta, derrota por 3 x 1 no Pascual Guerrero. Os destaques daquele América eram o goleiro Óscar Córdoba e o atacante Antony de Ávila.

Desde então, muita coisa aconteceu com los diablos rojos, como o clube é conhecido por lá. Depois de serem rebaixados em 2011, a equipe só voltou à primeira divisão colombiana em 2017. Mas a volta por cima veio mesmo no ano passado, com a conquista do Finalización (que equivale ao Clausura de outros países latino-americanos).

🇦🇹 👹 ⭐ Esta será una fecha inolvidable. 😍 ¡¡SOMOS CAMPEONES OTRA VEZ!! 1️⃣4️⃣🏆#SomosEscarlatas

Publicado por América de Cali em Sábado, 7 de dezembro de 2019

Apesar disso, pode-se dizer que o clube de Cali ainda vive um período de reconstrução. Assim, é bastante lógico que o seu nome mais conhecido por aqui esteja no banco: o técnico é Alexandre Guimarães, brasileiro naturalizado costarriquenho que, como lembra a reportagem de https://www.terra.com.br/, disputou Copas do Mundo com a Costa Rica tanto como jogador quanto como técnico.

As casas de apostas, como de costume, preferem aguardar um pouco mais antes de apresentarem seus prognósticos para a fase de grupos da Libertadores. Essa cautela pode ser verificada em diversas casas de apostas esportivas, e sites como https://www.casinoseal.com/br, que se notabilizam por selecionar opções de portais seguros e confiáveis, podem ser de grande ajuda quando chegar o momento de escolher onde verificar as projeções para o mencionado campeonato.

De qualquer forma, vale mencionar pelo menos quatro jogadores do América. Além do experiente meia Yesus Cabrera, vale falar dos três atletas que foram incluídos no onze ideal do último Finalización: o zagueiro Marlon Torres, o volante Rafael Carrascal e o atacante Michael Rangel, que, com 13 gols, dividiu a artilharia da competição com Germán Cano, hoje no Vasco.

A equipe ainda não engrenou na atual edição do Apertura, mas Michael Rangel vem mostrando que continua com o faro de gol afiado. Assim, sem dúvida é ele o homem que mais deve preocupar Renato para a estreia na Libertadores, ainda mais levando em conta as dificuldades que o técnico do Tricolor vem enfrentando para organizar o sistema defensivo do time nesse início de ano.

Voltar Todas de Esporte

Compartilhe esta notícia:

Renato fecha mais um vez os portões no treino do Grêmio e Victor Ferraz alerta para perigos do Caxias
Musto é absolvido em julgamento por expulsão no Grenal
Deixe seu comentário