Antônio Carlos Verardi, uma perda triste para o Grêmio

O Grêmio comunicou o falecimento de Antônio Carlos Verardi, 84 anos, ocorrido na madrugada desta quarta-feira (24). Seu Verardi, como era carinhosamente conhecido, era superintendente de futebol do Tricolor gaúcho e o mais antigo colaborador registrado no quadro funcional do clube, com 54 anos de dedicação ao time.

Adorado por atletas, dirigentes e colegas de trabalho por sua competência, fidalguia e discrição, Seu Verardi criou com o Grêmio uma identificação única, que se mistura com a própria história do clube, de acordo com nota divulgada pelo Tricolor.

Ele desembarcou no Estádio Olímpico em 1965, aos 31 anos, para assumir a Comissão de Obras trazido pelas mãos do patrono Fernando Kroeff. Antes disso, já havia atuado pelas categorias de base, mas não vingou como atleta. Um mês depois, a pedido do presidente Mário Antunes da Cunha, aceitou o cargo de gerente geral, função que exerceu até 1974.

Com nove anos de experiência no cargo, recebeu o desafio de assumir a função de diretor de futebol, quando começou a ter mais contato com o vestiário. De diretor a supervisor, não demorou muito. Com um trabalho sério, sempre voltado para o bem da instituição e dos atletas, Seu Verardi passou a ser reconhecido nacionalmente e virou referência na função para outros clubes brasileiros. Em 2005, Verardi se aposentou, mas seguiu se dedicando ao clube como superintendente de futebol, responsável pela logística do grupo profissional. Foi assim até o final. Enquanto a saúde permitia, chegava cedo para trabalhar no CT Luiz Carvalho, sendo um dos últimos a sair.

“Até mesmo nos dias de folga ou finais de semana, Seu Verardi era encontrado nas dependências do Grêmio, hábito que, certamente, continuará mantendo pela eternidade”, afirmou o clube.

Nos últimos meses, depois de ter sido convidado para acompanhar a delegação no Mundial dos Emirados Árabes, Antônio Carlos Verardi se dedicou à divulgação da obra “Seu Verardi e o Grêmio – Uma História de Amor”, livro de memórias lançado no início de junho do ano passado, que conta um pouco a história do Tricolor.

O Grêmio afirmou que se solidariza com toda a família Verardi, amigos e torcida. O velório foi realizado nesta quarta na Arena.

Bolzan

Em entrevista para a Rádio Grenal, o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, lamentou a morte de Verardi e frisou que ele era “um sujeito afável, uma pessoa amiga, uma pessoa leal”, além de ter uma relação “ímpar” com os jogadores. “É uma perda lamentável para o Grêmio porque representa uma história importante de todo seu conteúdo cultural, histórico e futebolístico”, disse o presidente.

Voltar Todas de Esporte

Compartilhe esta notícia:

O técnico do Grêmio, Renato Portaluppi, quer 50 mil gremistas na Arena no próximo jogo da Libertadores
Com uma vitória de 1 a 0 sobre o Alianza Lima, o Inter garantiu o primeiro lugar do Grupo A na Libertadores
Deixe seu comentário