Marcelo Medeiros participa de encontro em Porto Alegre e diz que Inter entra em círculo virtuoso


Por: clariceledur,

“As estratégias para a reconstrução de um clube” foi o tema do bate-papo com presidente do Sport Club Internacional, de Porto Alegre, Marcelo Medeiros, nesta terça-feira, 6/8, durante a reunião-almoço MenuPoa, promovida pela Associação Comercial de Porto Alegre. Ele foi eleito presidente em 2017, reeleito para o biênio de 2019 e 2020, e participa do Conselho do Inter há trinta anos.

Em 2016, o Sport Club Internacional, de Porto Alegre, enfrentou um de seus maiores dilemas, tanto no esporte, foi para 2ª Divisão, quanto financeiramente, porque perdeu receita. De lá para cá, o Inter profissionalizou a sua administração, aumentou as receitas e retomou sua caminhada esportiva ao voltar para Série A do futebol brasileiro.

Medeiros considera seu primeiro ano de mandato o momento mais difícil da história do clube com o rebaixamento para 2ª Divisão. Em abril de 2017, o Conselho Deliberativo do Inter seguiu o parecer do Conselho Fiscal e reprovou as contas do segundo ano da gestão anterior. Em 108 anos de história, foi a primeira vez que a maioria dos conselheiros reprovam o balanço. “O clube foi alvo de uma ação criminosa”, definiu. Em 2018, o Inter volta a 1ª Divisão e os números começam a mudar. “Inicia um círculo virtuoso”, completou.

Neste novo momento, o Inter está tentando se rentabilizar de outras maneiras. Uma delas é um projeto imobiliário numa área de 2,5 hectares ao lado do estádio Beira Rio, além da reforma do Gigantinho para torná-lo multiuso. Nas últimas semanas, foi divulgado pela imprensa a intenção do clube construir duas torres, uma delas de 130 metros de altura, que depende de aprovação do Conselho do Plano Diretor da cidade. Medeiros disse que esse é o projeto da Hype Studio Arquitetura, parceiros do clube na remodelação do Beira Rio e do Gigantinho. “Nada ainda foi definido e nem passou pelo Conselho do clube.”

O presidente do Inter entende que a história do clube e da evolução urbanística da capital gaúcha andam lado a lado. “Não podemos pensar no Inter – e também o Grêmio – apenas por sua relevância esportiva. Eles são muito maiores do que isso. São uma força catalisadora da economia, do turismo e do futuro de Porto Alegre, que vive um novo momento em sua relação com o Guaíba. O Beira Rio já avançou muito com a reinauguração, em 2014, mas é possível fazer mais. Dá para ir além, urbanizando e equipando áreas do clube com novos empreendimentos. A grenalização tem que ser positiva.”

Medeiros é oriundo de uma família de colorados. O avô, Afonso Paulo Feijó, foi presidente do Internacional em 1945, ano da conquista do primeiro hexacampeonato gaúcho. Seu tio, Marcelo Feijó, comandava o Inter em 1979, ano da conquista do título, ainda inédito, de campeão brasileiro invicto. Gilberto Medeiros, pai de Marcelo, presidiu o Inter em 1987, ano que o clube foi vice‑campeão brasileiro.

Comentários

>