Especial: Rádio Grenal investiga repasse de carteirinhas e atuação de cambistas na venda de ingressos para a final da Copa do Brasil


Por: Valeria Possamai,

Ver uma final da Copa do Brasil é um momento único para o torcedor. Participar dos 90 minutos que decide o campeonato mexe com o sentimento de qualquer um. Qual apaixonado pelo seu clube não faria de tudo para estar apoiando o seu time no estádio? Mas, a euforia de muitos, torna-se uma oportunidade na mão de alguns que se aproveitam para lucrar com essa paixão. 

Sabedor da situação, também alertada por ouvintes, a equipe de reportagem da Rádio Grenal investigou o aluguel e venda de carteirinhas de sócios colorados e o comércio de ingressos que podem chegar a valores próximos a mil reais por parte de cambistas.

A reportagem tentou a compra de três ingressos para o jogo entre Inter e Athletico-PR, pela Copa do Brasil. Na última semana, os sócios colorados tiveram problemas ao fazer o check-in para a partida por conta da grande procura. O site do clube passou por instabilidade e diversos torcedores associados não conseguiram efetuar a compra na abertura das vendas no dia (12), que minutos depois foi esgotada. A situação gerou repercussão e, por conta do problema, no dia seguinte houve nova reabertura do check-in.

Em uma conversa com um comerciante na tarde da última sexta-feira (13). A tentativa de compra aconteceu em frente ao Gigantinho, com conhecimento de alguns dos seguranças e ‘stewards’ do local e sem nenhum receio por parte do cambista, mesmo próximo a alguns policiais militares.

Ao longo da negociação, o cambista afirmou que comprou pela internet os bilhetes para o setor Mundial, que é vendido pela Brio. Uma cadeira localizada próxima a linha do meio de campo, atrás dos bancos de reservas do Beira-Rio. Em jogos do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil o valor custa 300 reais. Inicialmente, o ingresso foi oferecido por mil reais ao repórter. Com a proposta da compra de 3 entradas, o valor passou para 900 reais cada.

O vendedor revela ainda que, comercializa os ingressos também para jogos do Grêmio na Arena e shows no interior do estado. Segundo ele, existem clientes fixos que compram entradas para diversos eventos sem reclamar do preço abusivo.

Em partidas do colorado, a Brio tem uma cota de 7.576 ingressos, que podem ser comercializados. Para o jogo diante do Furacão, os bilhetes da empresa que administra o estádio foram vendidos no dia 6 de setembro. Os ingressos da Brio podem ser comprados por sócios ou pelo público geral, via site da empresa ou na bilheteria do estádio, limitado a 3 entradas por CPF.

Em contato, a assessoria da Brio alegou que não tem gerência sobre os ingressos após a venda dos bilhetes, no caso desta partida, a comercialização se deu pela exclusivamente internet. Contudo, a empresa se manifestou contrária à atuação de cambistas e informou que já tem conhecimento de ingressos falsos dos setores sob sua administração sendo vendidos.

Outra forma de lucro com o acesso ao estádio se dá através das carteiras dos sócios do Inter. Diversos associados realizaram o check-in, confirmando presença no jogo, e cobram valores abusivos pela carteirinha.

É importante destacar que, o artigo 41-F do Estatuto do Torcedor classifica como crime de cambismo a venda de ingressos por valor superior ao estampado no bilhete. Para esta violação, o Estatuto prevê pena de reclusão de 1 a 2 anos e pagamento de multa. O aluguel de uma carteira de sócio, por exemplo, não configura cambismo, mas fere relações de consumo que, na visão do Ministério Público, deveriam ser fiscalizadas pelo clube, especialmente por meio de cadastro biométrico dos sócios.

O Ministério Público, através da Promotoria do Torcedor, também recebeu diversas denúncias de sócios comercializando, nas redes sociais, suas carteirinhas para a final de quarta-feira. Todas as informações colhidas pela reportagem foram encaminhadas ao Ministério Público, que vai dar seguimento na análise do material.

Ouça a reportagem investigativa no site da Rádio Grenal.

 

Comentários

>