Dunga promove doações em ato solidário no combate ao coronavírus

10 toneladas de alimentos já foram arrecadadas

Foto: (Divulgação/Arquivo Pessoal)

Capitão do Tetra com a Seleção Brasileira, Dunga, atualmente treinador de futebol, tem unido forças para auxiliar o público mais vulnerável em meio à crise da Covid-19. Com o slogan “Desafio do Bem”, o ex-jogador tem mobilizado a sociedade em realizar doações. 10 toneladas já foram arrecadas e repassadas para instituições de caridade do Rio Grande do Sul.

Em entrevista à Rádio Grenal, Dunga deu detalhes sobre as doações, que vem contando com a apoio de outras figuras do futebol, entre elas Tinga, e destacou a necessidade do auxílio às pessoas: “Esse é um momento de se unir para ajudar as pessoas. Eu converso todos os dias com o Tinga pra alinhar essas ideias. Até ficamos tristes pois a gente queria ajudar mais pessoas. Eu saí de um churrasco ontem (domingo) muito triste, pois lembrei que muitas pessoas que torceram muito por mim estavam sem ter o que comer. Na mesma hora mobilizei meus amigos e levantamos um número grande de alimentos pra ajudar.”

Confira outras declarações de Dunga:

Momento do Inter

Acho que o Inter ainda faz um pouco de força para chegar no ataque. Explico comparando com o Flamengo, que quando chega, é letal. Não é sempre que goleia, mas quando ataca, faz gol.

Copa do Mundo de 1998

Ninguém sabe exatamente o que aconteceu com o Ronaldo. Mas a real mesmo é que a França foi melhor e mereceu vencer. Em 1994, a gente ganhava sem fazer tanta força. Em 1998, a gente chegava no nosso limite pra vencer.

Situação do Ronaldinho Gaúcho

Foi um monstro como jogador. Eu sinto muito esse momento dele, pois é uma referência para os brasileiros, para as crianças. Quero que isso se esclareça e ele possa voltar logo a sorrir e fazer todo mundo sorrir também.

Neymar

É o momento oportuno pra ele ser o melhor do mundo. Ele já fez muitas coisas boas e muitas erradas. Não pode errar mais. Segundo os italianos, ele está na idade do auge. Talvez seja a hora dele. Quando não se dribla, pedem drible. Quando se dribla, pedem para tocar. Então, é complicado. Mas o Neymar amadureceu muito, ele procura mais o gol. É um menino que tem muita qualidade.”

Ouça a entrevista na íntegra:

 

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Entrevistas Especiais

Compartilhe esta notícia:

Em entrevista à Rádio Grenal, Tetê comemora adaptação na Ucrânia, mas lamenta saída do Grêmio
Técnico Odair Hellmann cita frustração pela perda da Copa do Brasil e revela desejo de retornar ao Inter para ‘fechar a régua’
Deixe seu comentário