Cortes no orçamento, impacto nas negociações e situação dos sócios: CEO do Grêmio detalha plano de contingência

Confira a entrevista exclusiva à Rádio Grenal

Foto: (Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

O momento é de reavaliação e de readequação financeira nos clubes por conta da paralisação do futebol. Diante do cenário, o Grêmio estabeleceu um comitê de crise com o objetivo principal de redimensionar todas as despesas no ano de 2020. Em entrevista à Rádio Grenal, o CEO do Grêmio Carlos Amodeo, à frente da avaliação dos números, deu detalhes das ações estabelecidas.

Amodeo explicou que o plano de contingência estabelecido vai até o dia 30 de junho. A preocupação com a vida financeira do clube também está atrelada com a responsabilidade social com a geração de empregos. E, para isso, o clube descarta, momentaneamente, a redução do quadro funcional, que hoje conta com 400 colaboradores, além dos atletas profissionais.

“É um momento muito complicado. Estamos com um comitê de crise com o objetivo de redimensionar todas as despesas do clube no ano 2020, para superar esse momento com o mínimo de impacto possível. Temos mais de 400 colaboradores no clube, fora os atletas. Todas as nossas ações visam manter o clube financeiramente, mas também os empregos. Precisamos ter responsabilidade orçamentária e de gestão sim, mas também de geração de empregos”, declarou o CEO do Grêmio.

Readequação junto aos jogadores

Grêmio estabeleceu a readequação salarial com o elenco ainda no mês de março. Foto: (Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Ainda em março, o Grêmio estabeleceu uma readequação financeira junto aos jogadores. A medida tem influência direta para que o clube atravesse o momento de uma forma melhor, conforme apontou Carlos Amodeo. O grupo ainda teve o período de férias ampliado por mais 10 dias após o dia 20 de abril, em consonância a medida da Comissão Nacional dos Clubes (CNC).

“Conseguimos chegar a um denominador comum com os jogadores nessa readequação financeira. Naquele momento, a proposta foi prontamente aceita pelo grupo de jogadores. Posso afirmar que a readequação feita vai nos ajudar a passar de forma melhor por essa situação”, afirmou.

Estimativa da queda de receitas

O dirigente explicou que a gestão tem trabalhado com a estimativa de perda de arrecadação de 20 a 25 milhões. Este cálculo está atrelada ao que o clube não irá mais receber, como os casos de ausência de renda com as lojas oficiais fechadas e também as associações canceladas pelos torcedores.

A previsão de 40 milhões está avaliada no sentido do atraso de pagamentos como a verba de transmissão, que será paga posteriormente.

Diante da situação, Amodeo afirma que todos os setores do clube reavaliaram seus orçamentos para estabelecer corte de custos. O valor que foi estimado para corte não foi revelado. “A primeira medida que tomamos foi determinar uma revisão orçamentária. Todos os setores estão entregando sua parcela de contribuição para diminuir os gastos. Estamos redimensionando contratos, suspendendo outros e pedindo prazos”.

Sócios

Clube planeja ações para compensar sócios durante a crise da Covid-19. Foto:(Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Visando manter uma das principais fontes de arredação, novas medidas estão sendo avaliadas no sentido de oferecer uma “compensação” aos torcedores associados ao clube. De acordo com Carlos Amodeo, o Grêmio tem trabalhando a pauta junto com a Arena Porto-alegrense, que administra o estádio, para oferecer benefícios aos sócios.

“Estamos trocando ideias, e em breve vamos apresentar alternativas para o sócios. De trazer uma compensação aos sócios para manter a mensalidade em dia. Estamos conversando muito com a gestão da Arena para dar benefícios aos nossos sócios no retorno aos jogos. Muito mais que colaborar para ter acesso a jogos e outros benefícios, os sócios podem seguir colaborando pra ajudar o clube financeiramente nesse momento difícil”, apontou.

Novo cenário no mercado de transferências

Everton Cebolinha é um dos principais nomes do clube que desperta interesse do mercado europeu. Foto:(Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Os impactos na paralisação do futebol traz interferências diretas no mercado de transferências. Neste sentido, Amodeo projeta um novo mercado com a redução nas cifras das negociações.

“Projetamos sim um novo formato de mercado quando o futebol voltar. Haverá uma redução de valores nos negócios. Mas temos um modo que pode diminuir essa questão da desvalorização”, declarou o CEO fazendo referência

Momentaneamente, mesmo sem propostas oficiais, a direção do Grêmio deixou claro que a prioridade é pela saúde financeira do clube, conforme o presidente Romildo Bolzan Jr. “O Grêmio vai priorizar as garantias de seus contratos, de equilíbrio financeiro. Se para isso for preciso vender um ou talvez dois jogadores, a prioridade é pela manutenção da estruturação financeira que o clube tem”. O nome de Everton é o que mais gera especulação, mas os jovens também tem despertando interesses do mercado europeu como Pepê, Matheus Henrique e Jean Pyerre, além de Alisson, que também é alvo de consultas.

 

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Grêmio

Compartilhe esta notícia:

Em apenas três dias, a máscara de proteção facial do Grêmio teve o seu primeiro lote esgotado na internet
Inter avalia possibilidade de extinguir concentração antes dos jogos no retorno das competições
Deixe seu comentário