Como centroavante, André sabe da cobrança por gols e promete: “O gol vai sair na hora certa”


Por: Diogo Rossi, comunicador na @rdgrenal
*Por Bárbara Assmann

 

O Grêmio está jogando três competições e querendo ganhar títulos, mas, além do entrosamento a equipe precisa de gols. E é isso que o time espera para Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. A esperança de balançar as redes é sempre companheira dos controavantes. No caso do Tricolor, este é o caso de André. O camisa 9 vem sendo criticado pela torcida e tem consciência disso: “Se não me aplaudir, paciência. A gente sabe que torcedor é emoção e com emoção não adianta julgar.”

Emoção que deve vir na hora certa, na hora do gol. O atacante é o titular de Renato Portaluppi e afirma que ele procura não se cobrar nessas horas, pois a carga passa a ser ainda maior. “O gol vai sair na hora certa. Não adianta eu me cobrar, vai ser uma carga ainda maior. É seguir ajudando de outras formas”, afirma.

Porém, mesmo com o jejum de gols, ele diz ter confiança. “Se eu não seguir, quem vai seguir? Claro que vivo uma situação atípica aqui, até porque é um time que não joga só para o centroavante.”

É… na decisão pelas oitavas de final da Libertadores contra o Libertad, toda a equipe precisará estar atenta para fazer duas boas partidas – a primeira em casa, na Arena, e a segunda no Paraguai. As duas equipes já se enfrentaram na fase de grupos e André projeta um jogo difícil: “Vai ser um jogo muito difícil, muito truncado. A competição já pede isso.”

O atacante tricolor confirma a importância do primeiro jogo em casa e garante foco total da equipe: “Independente de fazer o primeiro jogo em casa ou fora, tem que fazer o primeiro jogo bem. Vamos entrar o mais focado possível para fazer a famosa frase do Renato, de ‘levar menos problema possível.”

 

*Estagiária sob supervisão de Marjana Vargas 

Comentários

>