Campeonato Brasileiro passa a ser a “Copa do Mundo” do Inter no ano, afirma executivo Rodrigo Caetano


Por: Valéria Possamai,

Um dia após o anuncio de sua renovação para mais uma temporada no departamento de futebol do Inter, o diretor executivo de futebol Rodrigo Caetano concedeu entrevista ao programa Futebol Alegria do Povo, da Rádio Grenal. Na data em que o clube terá um enfrentamento direto contra o Flamengo, o dirigente destacou o nível de dificuldade da partida, mas ressaltou a necessidade de uma vitória para e equipe seguir sonhando com a conquista do Campeonato Brasileiro, que passa a ser a “Copa do Mundo” do time no restante da temporada.

No clube gaúcho desde 2018, Caetano teve o contrato renovado até 2020. O diretor executivo revelou que a decisão pelo aumento do vínculo surgiu em decorrência de um acerto pela sequência do trabalho. “Essa decisão é dar continuidade que, na nossa visão, não se encerrou. Tivemos essa dolorida derrota na final (Copa do Brasil), com isso nos abre a responsabilidade a mais por uma busca na vaga pela Libertadores e do título. (Brasileirão).”

Com a perda do título da Copa do Brasil, o campeonato nacional passa a ser o foco principal da equipe, que ainda almeja a possibilidade do título nesta temporada. Além disso, as vagas para Libertadores e Copa do Brasil do próximo ano são tratados com “obrigação”.

“Durante as próximas rodadas, teremos uma única competição. Se mantivermos a normalidade temos boas possibilidades de melhorar nosso aproveitamento. Mas isso é projeção. Precisamos ir jogo a jogo. Nossa Copa do Mundo passou a ser o Campeonato Brasileiro. Precisamos estar nas melhores competições, que é o que vai nos aproximar das conquistas. Na minha visão, temos que buscar isso até a última rodada para que o Inter esteja brigando pelas competições nacionais e sul-americanas”, afirmou Caetano à Rádio Grenal.

No planejamento para a sequência de 2019 e já visando 2020, a questão sobre a permanência do técnico Odair Hellmann já gera questionamentos. Alvo de críticas por parte de torcedores, principalmente, com a derrota para o Athletico-PR, o comandante tem a confiança da direção para seguir o trabalho, neste momento.

“Odair é o nosso técnico. A ideia é que, no momento certo, viemos a fazer essa avaliação. Tem momentos que são cruciais para esta definição. Antes de pensar no ano que vem, precisamos colocar o Inter nas competições do ano que vem. Ele vai ter toda a tranquilidade para fazer o trabalho dele”, declarou o dirigente.

Ainda que, a situação do técnico seja avaliada em outro momento, Caetano já traça metas com relação ao elenco para a disputa da próxima temporada. O colorado pode contar com caras novas já ao fim deste ano. “Acho que poderemos trazer um ou dois atletas no mercado para o grupo com a contenção de despesa com aqueles que estavam fora do elenco. Acho que, também, aproximamos bem a base e o profissional”.

No tocante a questão do plantel, o diretor executivo também destacou que o clube chegará em 2020 com melhores condições financeiras. Principalmente, pelo trabalho que vem sendo feito nestes últimos anos. Uma das ações executadas por Caetano foi um filtro em atletas com vínculos com o Inter e que não vinham gerando algum tipo de aproveitamento. Somados ainda a utilização das categorias de base. “No final deste ano, a situação estará mais adequada pelo tamanho do Inter em comparação a outros anos. Nesse período, houve foi a diminuição de atletas que não eram aproveitados. Atletas que estavam emprestados e que tínhamos que dividir salario ou manter os vencimentos. O número era bastante elevado. Hoje temos elenco, estrutura de melhorar, também pelo abastecimento de jovens que temos.”

Com relação ao jogo de logo mais, no Maracanã, contra o Flamengo, Rodrigo Caetano ressalta que além da conquista dos três pontos para seguir subindo na tabela de classificação, uma vitória também minimiza o sentimento ainda pela perda da Copa do Brasil. “Sabemos que o Flamengo está em um bom momento. Existe uma expectativa. Se almejamos a coquista do título, precisamos fazer um jogo competitivo. Uma vitória aqui minimizaria a nossa dor da Copa do Brasil”.

 

 

 

 

 

 

Comentários

>