Após vitória, Renato elogia equipe gremista e alerta o rival: “Se o meu time não tira o pé do acelerador, as coisas poderiam ser piores”

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Após a vitória por 2 a 0 no clássico 426, o técnico Renato Portaluppi se mostrou satisfeito com a conquista da Taça francisco Novelletto e com o desempenho da sua equipe. Além da conquista do título, com o resultado, o Grêmio chega a nove jogos sem perder para o rival.

“Estamos muito felizes. Conseguimos nosso objetivo de ganhar o segundo turno. E agora vamos fazer a final. Fizemos a nossa parte. Mas obviamente ganhar em cima do Internacional tem um gostinho especial. Hoje, mais uma vez, o placar poderia ter sido mais elástico, se tivéssemos aproveitados melhor as oportunidades que criamos, mas está de bom tamanho. O grupo está de parabéns”, disse o técnico.

Renato aproveitou para falar sobre a qualidade do gramado. Isso porque, no Grenal de retorno do futebol, o tricolor venceu por 1 a 0, e o técnico colorado, Eduardo Coudet criticou o gramado do Estádio Centenário,  ligando a derrota a falta de qualidade do campo. “Meu time sempre jogou bem, principalmente em campos bons. Então muita gente estava falando que o campo ruim prejudicou o Inter lá em Caxias, eu acho que prejudicou muito mais o Grêmio. Porque o Grêmio ta jogando assim há quatro anos. Hoje o gramado estava bom. O que aconteceu?“, questinou.

Na mesma linha, Renato destacou a superioridade de sua equipe em relação ao rival: “Hoje enfrentamos nosso maior rival e mais uma vez fomos superiores. Os números não mentem. Se hoje o jogo terminasse 4 a 0 para nós, seria justo. Independente do adversário, a gente procura superá-lo. E foi o que aconteceu aqui na Arena […]  O Inter pode se dar por ficar satisfeito, pois poderia ser mais. Se o meu time não tira o pé do acelerador, as coisas poderiam ser piores”.

O assunto Everton Cebolinha era inevitável. O atacante fez sua última partida com a camisa tricolor, visto que está finalizando as negociações com o Benfica, de Portugal. Renato contou que o jogador foi até seu quarto na noite anterior a partida, e pediu para jogar. No entanto, relatou que o técnico do time português, Jorge Jesus, ligou para Cebolinha, pedindo para que não jogasse a partida. E isso, aborreceu o Grêmio: “O que me aborreceu foi o Jorge Jesus ter telefonado para o jogador. O treinador estrangeiro vem aqui, faz bom trabalho e liga para o jogador. Não é normal. Ele ligou para jogador na segunda-feira, falou com o jogador.  Ele tentou fazer a cabeça para o Everton não entrar em campo. Isso nos aborreceu bastante. Ficamos calados, mas não pode acontecer”.

“Ele é um grande profissional. Tem nos ajudado muito com títulos. É um jogador a nível de seleção. Mas vamos deixar bem claro: ele ainda não está vendido. Sabíamos que ia ser difícil segurar ele nessa abertura da janela. Ainda não está nada certo. Esse é um problema que a diretoria vai resolver”, alertou Renato.

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Grêmio

Compartilhe esta notícia:

Ao lado de Romildo Bolzan, jogadores do Grêmio comemoram vitória e provocam “Já são nove”
Homenagem dos colegas, emoção e mais um título: a última partida de Everton Cebolinha com a camisa tricolor
Deixe seu comentário