Advogada defende cobrança dos jogadores por adicional noturno

Maicon, do Grêmio, venceu recentemente uma ação judicial contra o São Paulo pelo ressarcimento dos valores

Foto: (Lucas Uebel/Grêmio FBPA)

Em entrevista à Rádio Grenal, a advogada Mariju Maciel defendeu a ação jurídica dos atletas de futebol pela cobrança do pagamento por adicional noturno, domingo e feriados. Recentemente, dois jogadores obtiveram decisões favoráveis quanto ao processo, o volante do Grêmio Maicon, que ingressou contra o São Paulo, e Paulo André, atual diretor de futebol do Athletico-PR, que cobrou os valores do Corinthians.

“Eles merecem adicional tanto quanto médicos, seguranças ou qualquer profissional de qualquer outra função. Todos os trabalhadores que trabalham domingo ganham seus direitos de adicional. Porque o jogador não pode ganhar? Eles também nunca estão com a família aos domingos, também não estão em casa no dia dos pais, na páscoa. Os jogos são aos domingos pois é o dia onde os clubes ganham mais dinheiro da televisão. Ganham muito dinheiro. Não podem pagar adicional? Ganham graças aos atletas”, declarou a advogada.

As decisões da justiça repercutiram no noticiário do futebol nos últimos dias, prevendo uma ação em massa dos jogadores. O Corinthians, inclusive, encaminhou uma nota à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), à Federação Paulista de Futebol (FPF) e à Rede Globo, informando que não irá mais jogar no período noturno e aos domingos, para se prevenir de futuras ações trabalhistas. A informação foi divulgada pelo jornalista Jorge Nicola.

Após ter ganho a ação judicial, ingressada ainda em 2016, o volante do Grêmio Maicon fez uma publicação em dom de desabafo pelas criticas recebidas quanto ao caso da cobrança dos valores. O São Paulo foi condenado a pagar o valor de R$200 mil referente a ação da defesa de Maicon que “pediu para que partidas terminadas após 22h e disputadas em domingo e feriados fossem contabilizadas como jornada dobrada.”

A advogada defendeu a posição do jogador do elenco gremista e destacou que os atletas só estão lutando por direitos que são assegurados pelas leis trabalhistas.

“O Maicon tem, sim, que lutar pelos seus direitos. Atleta tem carreira curta. Enquanto todos estudavam, o atleta estava treinando. Eles tem a curta carreira para ganhar dinheiro. Eles só estão lutando pelos seus direitos. O Maicon é um dos atletas que luta pela classe dele. Você pode dizer que o Maicon ganha bem, mas a grande maioria dos jogadores brasileiros ganha pouco. O pedido do Maicon pode garantir que essa maioria ganhe também os direitos”, defendeu Maciel.

Situação dos jogadores em meio à pandemia

Com a paralisação do futebol, diversos atletas tem passado por readequações salariais, além do pior cenário, com a suspensão e términos dos contratos. “Recebi vários pedidos desesperados de atletas que não tem dinheiro pra pagar a conta de luz. Atletas que precisam de cesta básica nesse momento. Essa é realidade. Só a minoria ganha bem. Ajudei muitos atletas nos últimos dias pagando a conta de luz e dando cestas básicas. Eu não estou sozinha nisso. Vários atletas que ganham bem me ajudaram. Me deram muito dinheiro pra eu repassar. Eles pediram pra eu não divulgar os nomes”.

Em meio ao cenário, a advogada Mariju relatou que Lucas Leiva, meia ex-Grêmio e que atua na Lázio, realizou doação financeira para auxiliar os demais colegas de profissão: “Um dos atletas que estão ajudando os que ganham pouco eu posso falar o nome: Lucas Leiva. Ele depositou uma quantia muito alta e pediu pra eu comprar tudo em cesta básica ou pagar contas de luz.”

 

 

 

* Por supervisão de: Marjana Vargas

Voltar Todas de Futebol

Compartilhe esta notícia:

Presidente Luciano Hocsman analisa novas possibilidades para o Gauchão e avalia: “Cada vez mais difícil de retornar neste momento”
“Não haverá possibilidade de ter torcida enquanto não houver vacina”, diz Coordenador do Centro de Pesquisa em Esporte Lazer e Sociedade da UFPR
Deixe seu comentário