Zago: “Vamos conversar e achar a formação ideal”


Por: Diogo Rossi, comunicador na @rdgrenal

O empate com sabor de derrota, no último sábado (11), diante do Caxias, ligou o sinal de alerta para o técnico Antônio Carlos Zago. O Internacional tem o pior início de Campeonato Gaúcho da última década, e já na próxima quarta-feira, o clube estreia na Copa do Brasil 2017. Após a partida, o comandante falou sobre o resultado e a sequência de jogos que se aproxima.

“Nós estamos trabalhando, buscando uma formação ideal. Não podemos ficar trocando de jogo para jogo, principalmente nesse início de trabalho. Por aquilo que eu vi ali de baixo, e o que eu conversei com o pessoal que assistiu lá de cima, o time esteve bem postado em campo, talvez um pouco abaixo daquilo que podemos render. O jogo foi controlado no primeiro tempo de novo. Eles tiveram uma chance no primeiro tempo e depois fizeram um gol na jogada de lateral, não estávamos tão atentos”, lamentou o treinador.

O Caxias, que retornou à elite do Estadual nesta temporada, conquistou 4 pontos em 6 disputados contra a dupla Grenal. Zago exaltou o desempenho do clube da serra: “Ainda estamos buscando o time ideal e jogamos contra uma equipe que vem treinando desde novembro. Equipe que ganhou do Grêmio e empatou com o Internacional. Uma equipe bem postada e bem montada. Está um pouco na frente, em relação a preparação física”, comentou.

Questionado sobre possíveis mudanças no time titular para a partida contra o Princesa de Solimões-AM, na próxima quarta-feira, o técnico preferiu não revelar quem vai a campo. “Temos aí 3 ou 4 dias até o jogo contra o Princesa de Solimões, então temos que aguardar os próximos dias para ver a recuperação dos atletas. Acho importante olharmos isso. Temos pela frente um calendário de 48 dias e 16 jogos, é quase impossível os jogadores terem uma sequência de 3, 4 jogos. Com o trabalho da fisiologia e dos preparadores físicos, nós vamos conversar e achar a formação ideal, para uma partida importantíssima que temos pela frente”, finalizou.

Confira a entrevista:

Comentários