Victorio Piferro e ex-dirigentes são condenados por gestão irregular e ficam inelegíveis por 10 anos


Por: Valéria Possamai,

Em sessão extraordinária nesta quarta-feira, o Conselho Deliberativo do Inter votou pela punição dos ex dirigentes Vitório Piffero, Emídio Ferreira, Alexandre Limeira e Pedro Affatato, acusados por atos de temerária e irregular durante a gestão 2015/2016, durante a gestão 2015/2016, ano de rebaixamento do clube à série B.

Com a decisão dos conselheiros do clube, os ex dirigentes estão proibidos pela Lei da Profut de serem eleitos por qualquer clube de futebol, pelo período de 10 anos.

A reunião que teve inicio às 20h, teve apenas a presença do ex-presidente Victorio Piferro e do ex-vice de administração Alexandre Limeira. Os outros dois dirigentes apontados no relatório produzido pela Comissão Especial de Apuração do Conselho Deliberativo, preferiram fazer a defesa através da justiça.

No relatório produzido pela Comissão Especial de Apuração do Conselho Deliberativo foram elencados 15 fatos, que transcorreram durante o mandato e que careciam de análise em relação à gestão. Do total, em nove não foram constatados irregularidades, um foi encaminhado ao Ministério Público, e outros cincos passaram pela análise da mesa dos conselheiros.

De forma inédita, os sócios do clube também puderam acompanhar de forma exclusiva a transmissão da sessão. Após a manifestação dos dois dirigentes presentes, os conselheiros realizaram votação através de cédulas de papel. Por volta das 0h30, foi anunciada a demissão, que de forma unânime considerou os atos dos ex-dirigentes configuraram gestão temerária.

Durante a sessão, ainda foi a aprovada de forma unânime pelos conselheiros, o ingresso na justiça para buscar o ressarcimento dos prejuízos causados ao patrimônio do clube. Após a votação, a sessão foi encerrada sobre aplausos e com o cântico do hino do Internacional.

Confira em quais itens cada dirigente é foi no relatório produzido pela Comissão:

Vitório Piffero, ex-presidente
Item 1 – Fragilidades nos processos de adiantamento de valores e exposição do clube pelos valores movimentados;

Item 2 – Adiantamentos realizados pelo vice presidente de finanças que totalizaram R$ 10 milhões;

Item 6 – Incidências de juros e encargos por pagamento parcial da fatura do cartão de crédito do clube, com vencimento em janeiro de 2016;

Item 12 – Pagamentos para a empresa responsável por confecção de guard rail, suportes e fixadores, realizados em março, abril e outubro de 2015 e agosto de 2016;

Item 14 – Durante os anos de 2015 e 2016, a utilização indevida e abusiva do Cartão de Crédito Corporativo do clube.

Pedro Afattato, ex- vice de finanças e ex-presidente do clube

Item 1 – Fragilidades nos processos de adiantamento de valores e exposição do clube pelos valores movimentados;

Item 2 – Adiantamentos realizados que totalizaram R$ 10 milhões;

Item 6 – Incidências de juros e encargos por pagamento parcial da fatura do cartão de crédito do clube, com vencimento em janeiro de 2016;

Item 12 – Pagamentos para a empresa responsável por confecção de guard rail, suportes e fixadores, realizados em março, abril e outubro de 2015 e agosto de 2016;

Item 14 – Durante os anos de 2015 e 2016, a utilização indevida e abusiva do Cartão de Crédito Corporativo do clube.

Emídio Ferreira, ex-vice de patrimônio

Item 1 – Fragilidades nos processos de adiantamento de valores e exposição do clube pelos valores movimentados;

Item 2 – Adiantamentos realizados pelo vice presidente de finanças, que totalizaram R$ 10 milhões;

Item 12 – Pagamentos para a empresa responsável por confecção de guard rail, suportes e fixadores, realizados em março, abril e outubro de 2015 e agosto de 2016.

Alexandre Limeira, ex-vice de administração

Item 14 – Durante os anos de 2015 e 2016, a utilização indevida e abusiva do Cartão de Crédito Corporativo do clube.

Foto:(Reprodução/Divulgação)

OUÇA NA INTEGRA A DECISÃO DO CONSELHO DELIBERATIVO DO INTER;

Comentários