Os caras de Portaluppi para a final da Copa do Brasil

O Grêmio chegou à final da Copa do Brasil de 2016 e pode dar fim a um jejum de mais de 15 anos sem títulos. Desde que entrou na competição, lá atrás no dia 24 de agosto, fora de casa contra o Atlético-PR, foram necessários 6 jogos, entre disputas fora e decisões na Arena para chegar a final contra o Atlético Mineiro.

Nesses 6 confrontos, o time sofreu algumas mudanças. Entre as principais, a mudança no comando de vestiário. Renato Portaluppi retornou à casamata e com ele o rendimento da equipe melhorou, os resultados vieram e agora o Grêmio retorna à uma final de uma grande competição.

Se o time permaneceu o mesmo, algumas figuras da equipe são responsáveis por essa chegada até a final. A Rádio Grenal elegeu 3 ”caras” que dão sustentação à equipe ”malandra” do Grêmio, como o treinador costuma brincar.

622_cbfd5727-9111-3b9c-b351-58044d77bd24

Pedro Geromel

O zagueiro está no Tricolor desde 2014 e sua qualidade não passou desapercebida. Dono de refinada técnica, Geromel foi conquistando seu lugar na zaga gremista com cortes precisos e desarmes certeiros.

Defensor pela direita, o ‘Geromito’ se confirmou como um dos pilares da equipe nas duas temporadas em que está no Grêmio. Com Renato, são 14 jogos entre Copa do Brasil e Brasileirão, titular incontestável em todos os jogos. Se olharmos a regularidade do zagueiro na temporada toda, foram 51 jogos em campo, 0 quarto atleta que mais atuou com a camisa tricolor. 

geromito

O dono da camisa 3 do Grêmio iniciou sua carreira no Palmeiras em 2002, Pedro Tonon Geromel teve experiências profissionais na Europa, com boas passagens pelo velho continente. No Vitória de Guimarães -POR, foi eleito um dos melhores zagueiros do C. Português de 2005. Geromel também teve passagem destacada pelo Colônia-ALE,  sendo eleito o melhor zagueiro da Bundesliga por duas vezes seguidas.

No Grêmio, Geromel joga pela direita, ao lado de Kannemann, Walace Reis, Thiery ou Fred.

”Independente de quando, onde for o jogo, a gente estará pronto para jogar. Temos que controlar a ansiedade, cada jogo é um jogo”, disse Geromel.


ramiro_gremio_1302x932-jpg_1837108222

Ramiro

O baixinho chegou ao Grêmio em 2013 e de lá pra cá alternou bons e maus momentos com camisa tricolor. No entanto, seus bons momentos foram definitivamente com Renato Portaluppi no comando.

” (O Renato ) foi uma pessoa que me ajudou muito. Foi ele quem abriu as portas para o futebol e tento retribuir isso dentro de campo”.

Importante taticamente para o esquema do treinador, tanto em 2013 quanto nessa temporada, o volante é polivalente e pode atuar em mais de uma posição no campo de jogo. Com Roger ramiroMachado, Ramiro chegou a jogar de lateral direito. Agora sob o comando de Portalupi, atua numa posição no meio campo, não como volante, sua posição de origem, mas como um terceiro homem de meio campo, mais aberto.

Taticamente importante para a equipe, Ramiro tem sua posição definida na direita, como uma marcador que sai para o jogo e que pode ser a surpresa na área adversária. No Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil, Ramiro atuou em 9 jogos, iniciando na equipe titular em todos.

”É um momento muito especial desde que estou no Grêmio. Sempre tive essa expectativa de pode chegar numa final  e agora a gente está bem ansioso para que esse dia da final chegue logo”, afirmou em coletiva.


622_9fd9ea5b-bf02-3881-afdd-4c15a6f5e59f

Douglas

O maestro. Alcunha que conquistou ao longo de suas duas passagens pelo Grêmio. Se em 2010 com Portaluppi, Douglas já havia mostrado muita qualidade, esse ano o 10 gremista sobra em campo novamente é um dos principais ‘caras’ da equipe tricolor.

Dono de uma canhota habilidosa, as estatísticas comprovam sua importância ao time dentro de campo.

doga

No mapa de calor ao lado, podemos observar uma das marcas de Douglas nessa temporada. A mobilidade. Com Roger Machado, o meia passou a jogar um pouco mais adiantado, muito pela sua qualidade no hora de definir um lance. Já são 6 gols nas duas competições nacionais.

O meia também finaliza ao gol quando pode. São 77 finalizações no ano, entre certas (no gol) e para fora. Se comparado ao um atacante, como Pedro Rocha, o meia ganha em finalizações (77 contra 57).

Com 54 jogos no ano, o jogador de linha tem a marca de quem mais atuou nesta temporada de 2016 com a camisa do Grêmio.


Como chegam os ”caras” para as finais

Geromel: Desde o início da Copa do Brasil, o zagueiro recebeu apenas 1 cartão amarelo nas – apenas – 6 faltas cometidas. Sem apresentar lesões nas últimas partidas, Geromel está 100% para a final

Ramiro: O volante\meio campo também chega sem cartões amarelos para as finalíssimas da Copa do Brasil. Ramiro teve lesão no tornozelo esquerdo no início da temporada mas está totalmente recuperado para a decisão.

Douglas: O maestro recebeu apenas um cartão amarelo desde o início da competição. Foi no segundo jogo contra o Palmeiras. Recuperado fisicamente, o 10 gremista está de ‘tanque cheio’ para enfrentar o Galo nas duas decisões.

Comentários

comments