Agrônoma do Inter explica problemas no gramado do Beira-Rio


Por: Diogo Rossi, Jornalista, radialista e Repórter na @rdgrenal

Nesta terça-feira (14), o programa Futebol Alegria do Povo contou com a participação da agrônoma do Beira-Rio, Maristela Kuhn, por telefone. A profissional falou sobre a situação do gramado do Estádio e as razões para ele não estar em condições plenas para a prática do futebol.

“O cronograma de reforma do Estádio é muito apertado, o futebol para poucas semanas, no máximo quatro. Esse ano foi menor. Pela questão do acidente horroroso com a Chapecoense, acabou atrasando. Nós tivemos um uso de 10 dias além do que estava previsto. Nós temos todos os jogos comemorativos, que já estão no calendário desde o início do ano. Depois disso é que as reformas ocorrem, esse ano nós tivemos apenas 24 dias para a reforma”, justificou.

De acordo com a agrônoma, o Internacional já tem o Beira-Rio totalmente recuperado e em condições de ser utilizado, apesar do gramado estar um pouco ralo. “O gramado já está recuperado. Hoje, nós temos apenas a área fora do campo, fora das quatro linhas, junto à zona mista, que ainda está um pouco rala. Foi uma diretriz priorizar a área de jogo, porque aquela área fora de campo é meramente estética, que não influi na segurança do jogador”, afirmou.

Além do clube gaúcho, o escritório de Maristela Kuhn atua com outros times, como, por exemplo, Chapecoense (Arena Condá) e São Paulo (Morumbi). “As novas arenas, como o Beira-Rio, têm problemas de sombreamento. E eu jamais conseguiria uma reforma intensa no inverno, mas com o calor que nós temos aqui em Porto Alegre, em 15 dias o gramado vai estar perfeito”, finalizou Maristela.

Confira a entrevista:

 

Comentários